terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Análise da Conjuntura Econômica Brasileira


O QUE É CONJUNTURA?

Conjuntura é o conjunto de acontecimentos em um determinado momento. São circunstâncias e ocasiões que influenciam coletivamente em determinados aspectos, sejam econômicos, históricos, sociais, políticos, entre outros.

E A CONJUNTURA BRASILEIRA?

A conjuntura brasileira, por exemplo, é todo o escopo de eventos que vêm acontecendo no país e que são interligados, afetando a imagem do país: a conjuntura política afeta a conjuntura econômica, que por sua vez influencia na conjuntura social e constrói toda a atual conjuntura brasileira. A análise da conjuntura ajuda a compreender melhor as condições naquele períodos determinados, para que nenhum evento tenha significado isolado, de forma a compreender que as situações são influenciadas por outras.

CONJUNTURA ECONÔMICA:

Quando fala-se em conjuntura econômica quer dizer os eventos relacionados às finanças e à economia do objeto a que se refere. A conjuntura econômica brasileira durante o Governo Collor, por exemplo, era do confisco das poupanças e ativos financeiros dos pequenos e médios investidores, congelamento de preços e consequente retração da economia, que gerou aumento da inflação e congelamento dos salários. Isto foi o que gerou insatisfação tanto do lado do empresariado como dos trabalhadores, influenciou diretamente a conjuntura política e culminou com os escândalos de corrupção e o processo de impeachment do Presidente.

ANÁLISE BREVE:

*O Brasil convive, hoje, com sérios problemas, muitos dos quais responsáveis pela recessão grave, pelo desemprego e pela crise política.*
1. Reequilíbrio fiscal – a solução é cortar os gastos excessivos, que vêm crescendo sistematicamente nos últimos 20 anos. Significa diminuir o número de funcionários públicos, de vereadores, deputados, etc. Reduzir o número de ministérios, de empresas estatais, e conselhos e a burocracia administrativa.
2. Controlar a inflação com os instrumentos corretos. O controle do excessivo gasto público é uma das soluções. Como a inflação não é de demanda privada, as altas taxas de juros não são a solução. Pelo contrário, alimentam a inflação, pelo lado público.
3. Desequilíbrio no Balanço de Pagamentos, de origem na balança comercial ou nas outras contas das Transações Correntes. O instrumento ideal de controle é a taxa de câmbio.
4. Para a Carga Tributária excessiva, que inibe as atividades produtivas, só há uma solução: diminuir os tributos.
5. Burocracia oficial, principalmente a burocracia fiscal. É necessário criar uma Secretaria Antiburocrática, como nos tempos do Ministro Hélio Beltrão.
6. Judicialização e invasão de competências. Reduzir a sobrecarga do Judiciário e acelerar as decisões da Justiça, especialmente do STF. 
7. Promover uma reforma séria na Justiça do Trabalho e rever a necessidade ou desnecessidade de um Ministério do Trabalho.

Fazer uma análise conjuntural é sempre importante, entretanto, jamais se deve deixar de entender e compreender as essências das análises estruturais da economia.