quinta-feira, 28 de maio de 2020

Gestão no Ensino Universitário dos Cursos de Administração



O crescimento do ensino superior nos últimos anos, principalmente após a LDBEN n0.9.394 de 20 de Dezembro de 1996 ,apresenta aspectos vulneráveis. ROSA (2006) afirma que as IES privadas atraíram

"[...] e tal forma o interesse do mercado que o setor contabiliza taxas na ordem de três dígitos.Segundo o Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais INEP, o numero de instituições privadas aumentou no pais em 151,6%, passando de 711 para 1789 no curto período de 1996 a 2004.Segundo dados do Ministério da Educação (MEC),existem hoje no Brasil em torno de 2.300 instituições entre públicas e privadas.A rede particular representa 89,9% do total, com 2.135 unidade de ensino.

O aumento exponencial dos cursos de graduação mostra a veracidade com que os investidores entraram no setor.Em apenas oito anos a partir de 1996,a oferta praticamente quadruplicou ,saltando de 3.666 para 12.382.E como e típico de um crescimento desordenado, no qual o mercado dita as regras,teve um inchaço nas graduações que requerem menos investimentos. Dados do INEP de 2004,mostram que 52,2% das matriculas se concentravam em apenas seis opções - Administração, Direito, Pedagogia, Engenharia, Letras e Comunicação. Na apressada conquista do mercado educacional, a iniciativa privada forçou a ancoragem da expansão em poucos cursos, o que causou um desequilíbrio enorme no panorama das vocações profissionais dos jovens brasileiros.

Para Chauí (2001), essa adequação da universidade ao mercado, como forma de organização social, tem início nos anos de 1990, com a universidade operacional. Para essa autora, a universidade passa a ser operacional quando [...] está voltada para si mesma como estrutura de gestão e de arbitragem de contratos [...]. Regida por contratos de gestão, avaliada por índices de produtividade, calculada para ser flexível, a universidade operacional está estruturada por estratégias e programas de eficácia organizacional e, portanto, pela particularidade e instabilidade dos meios e dos objetivos. (CHAUÍ, 2001, p. 190).

Desta maneira as responsabilidades das IES são enormes,haja entendido seu papel social para formação de profissionais capacitados,exigindo das mesmas grande capacidade administrativa, e cumprimento dos seus objetivos primeiros: um ensino de qualidade.Esses objetivos são avaliados pelo Ministério da Educação através de seus instrumentos de avaliação,mas também pela sociedade que através do mercado,avaliam a qualidade dos servi;os educacionais prestados por cada instituição.Discutindo o assunto qualidade observa-se que seu conceito não é uma construção simples e vários autores apontam para a complexidade da questão (Diker, 1996; Enguita, 1997). Como segue:

Na linguagem dos especialistas, das administrações educacionais e dos organismos internacionais, o conceito de qualidade tem invocado sucessivas realidades distintas e cambiantes(...). Hoje em dia, se identifica antes com os resultados obtidos pelos escolares, qualquer que seja a forma de medi-los: taxas de retenção, taxas de promoção, egressos dos cursos superiores, comparações internacionais do rendimento escolar etc.(...).

Cada nova versão da qualidade não substitui inteiramente e de uma vez por todas as anteriores: a nova versão afasta as antigas para o lado, mastem de conviver com elas. (Enguita, 1997, p. 98-99)

Em função de um mercado mais competitivo e globalizado, tornou-se importante, para a sobrevivência das empresas, o desenvolvimento de novas características de gestão. A rapidez na obtenção e na administração de informações sob os mais diversos enfoques e objetivos pode decidir o rumo a ser seguido pela empresa. Assim observa-se o quanto da importância da gestão para as IES (Instituições de Ensino Superior) Privadas,tendo em vista serem instituições que tem como missão oferecer como prestação de serviços um ensino de qualidade,mas por serem instituições privadas precisam obter resultados em seus processos rotineiros,exigindo de seus administradores uma gestão eficaz que possa alem de manter uma educação de qualidade,obter resultados positivos dentro de seus negócios empresariais.

Desta forma nestas instituições procura-se desenvolver informações relevantes sobre sua administração para que assim forneçam subsídios aos seus usuários (sejam alunos, fornecedores, governo, investidores, etc.) sobre sua gestão,alocação de recursos,distribuição dos mesmos e sua preocupação com a sociedade enquanto o fornecimento de ensino de qualidade.